quinta-feira, 11 de julho de 2013

20 anos_Atelier taipa Alexandre Bastos_Odemira

Comemoram-se por estes dias os 20 anos (1993) da construção em taipa do atelier de pintura e gravura do Arq. Alexandre Bastos, em Odemira. 
Esta importante obra arquitectónica em taipa, de referência em Portugal, resultou numa viragem na imagem e perspectiva de futuro que em 1993 se tinha da construção com terra crua, "uma feliz combinação de artes e técnicas tradicionais com algumas inovações designadamente no projecto". 

Técnica construtiva ancestral em Portugal e espalhada por quase todo o Alentejo e Algarve, a taipa conhece actualmente um aprofundamento técnico suportado por diversos exemplos construídos, conhecimento científico do material terra e uma dimensão exemplar como modelo sustentável.
No entanto outras características nos aproximam da terra como a sua liberdade, a possibilidade de a modificar sem condicionantes para as gerações vindouras, o seu enorme potencial enquanto material eterno, aproveitando este mesmo material, acessível debaixo dos nossos pés, a custo zero, fazendo-o renascer... e ainda a força arquitectónica de construir com ele o efémero e o contemporâneo.
Partilhamos desta ideia, reforçada já também pelo Arq. Alexandre Bastos, da enorme liberdade e mobilidade, plenas de sonho e construção física, do domínio da utopia e da obra, potenciais e presentes nas tecnologias de construção em terra crua como a taipa.
Deste modo nada melhor, para recordar o importante momento de renovação e redescoberta da taipa em 1993, do que reler dois artigos publicados no Notícias de Odemira, o primeiro pelo Dr Martins Quaresma, e o segundo pelo Arq. Alexandre Bastos.

Sem comentários: