quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Construcción en tierra, vuelta a los orígenes_Jessica Ferrer

Construcción en tierra, vuelta a los orígenes
por Jesica Ferrer, eco-union
"La tierra es el material de construcción más antiguo del mundo. Se han encontrado viviendas en el Turquestán ruso construidas en tierra y piedra que datan del 8000 a.C. Fue elegida como material de construcción en edificaciones defensivas y de culto que se mantienen hoy en día, en las que la durabilidad y resistencia eran el objetivo final, como por ejemplo la “Gran Muralla China” realizada en tapia y revestida en piedra, la base de la “Pirámide del Sol” de Teotihuacan (México) o bien “la Alhambra” en Granada (España).
A pesar de que fueron las casas más primitivas las que se edificaron con tierra cruda, estas técnicas no pertenecen sólo al pasado: hoy en día, de un tercio a la mitad de la población mundial vive en casas de tierra. El uso de estos materiales en la construcción predomina en los países con mayor necesidad de viviendas y menos recursos como sucede en casi toda África, Oriente Medio y América Latina. En China e India hay más de 50 millones de casas de tierra.
En los lugares en que es tradicional se mantiene, y en algunos países occidentales aún se experimenta e investiga sobre sus aplicaciones incluso a nivel de construcción plurifamiliar o prefabricada. Sin embargo, en zonas como Europa, estos materiales están prácticamente ignorados en la construcción nueva, aunque forma parte del paisaje cotidiano en muchas regiones rurales donde todavía se mantienen viviendas y patrimonio de tierra. En estas zonas desarrolladas, también es habitual encontrar vacíos sobre estas materias en los programas universitarios de arquitectura y en la formación reglada.
Las ventajas
Entre las propiedades de la tierra destacan: su inercia térmica, higroscopicidad, reducido consumo energético para su extracción, elaboración, construcción y reciclaje, porosidad (que lo convierte en un buen aislante acústico), entre muchas otras.
Otro aspecto positivo es el mantenimiento de estas edificaciones en tierra por la disponibilidad y fácil aplicación de este material lo que disminuye el coste de mantenimiento. Mediante las técnicas y materiales de construcción locales (con la introducción de mejoras en el diseño, elaboración y transporte) se potencia la pequeña industria y el desarrollo de pequeñas comunidades.
Para fomentar el uso de la tierra cruda muchos arquitectos han introducido mejoras en el proceso de construcción o fabricación del material, dependiendo de la técnica de construcción aplicada. En el caso del tapial, arquitectos europeos como Martin Rauch o americanos como Rick Joy y David Easton, han optado por la prefabricación e introducción de la tecnología mediante el uso de maquinaria auxiliar (martillos neumáticos, apisonadoras mecánicas y encofrados mejorados). De esta manera han disminuido el tiempo de ejecución, reduciendo el precio de la mano de obra que en países europeos y EEUU es el problema principal de la construcción en tierra.
En países africanos, latinoamericanos y asiáticos se ha sustituido la paja o fragmentos de caña utilizados como material estabilizador en el adobe por fibras vegetales como la viruta de madera, afrontando así la creciente demanda de este material de construcción.
En España, la elección de la tierra como material de construcción está condicionada por factores como su disponibilidad en la zona, el coste de la mano de obra, el tiempo de ejecución, la escasez de técnicos formados y la falta de una normativa de edificación en tierra reconocida.
Una de las apuestas más definidas de eco-union (www.eco-union.org) se centra en el estudio y la promoción de la bioconstrucción, entendida como la reinterpretación de la construcción tradicional y la recuperación de materiales de construcción naturales y seleccionados a partir del análisis de su ciclo de vida. Y una de las soluciones que cumplen estas dos condiciones y por las que eco-union apuesta decididamente son las construcciones en tierra y las construcciones con balas de paja.
Hoy día, para levantar nuestros hogares empleamos materiales de elevada energía incorporada, de difícil reciclaje y que en ocasiones incluso incorporan elementos tóxicos, pero si reflexionamos un poco puede que haya motivos más que justificados para volver a reivindicar la sencillez y el sentido común y aplicar las tecnologías de manera inteligente con el objetivo último de reducir al máximo nuestra huella ecológica."











Artigo original publicado em eco-union.org, aqui.

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Tese_Les construccions de terra a Catalunya: La tècnica de la Tapia_Alberto Cuchi Burgos

Les construccions de terra a Catalunya: La tècnica de la Tapia
Alberto Cuchi Burgos (1995)
Universitat Politècnica de Catalunya, Departament de Composició Arquitectònica

























"La present tesi està dedicada a l'anàlisi d'una tècnica constructiva avui desapareguda del ventall de tecnologies utilitzades a 1'edificació a casa nostra: la tàpia.
La justificació per a l'estudi d'una tècnica en desús pot venir avalada des de diferents camps de coneixement com a un exercici útil en si mateix per les conclusions que es puguin extreure encara que no siguin d'una aplicació inmediata.
En aquest cas, però, dues visions concretes han revitalitzat l'interès d'estudiosos per les tecniques de construcció en terra com a tècniques alternatives a les usuals i han ocasionat un autèntic allau d'estudis, iniciatives, experiments i propostes que han remogut un ampli espectre de tècnics, universitats, organitzacions no gubernamental s i agències estatals. (Catalan)"
O Website base com a tese completa pode ser visitado aqui



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Southeast Wyoming Welcome Center_USA

Southeast Wyoming Welcome Center
Wyoming isn't typically thought of as a leader in green design or renewable energy; these days, the sparsely-populated state is more closely associated with coal production. But a new welcome center along Interstate 25 in Southeast Wyoming, which was designed by Denver-based AndersonMasonDale Architects, could change that. The new rammed-earth facility, which opened in autumn 2012, is one of the greenest rest areas in the country, and with several interactive installations and displays, it seeks to inform weary travelers about sustainable architecture and renewable energy systems.
Unlike most welcome centers and rest areas, the new Southeast Wyoming Welcome Center really encourages visitors to get out of their cars and stretch their legs. The entire site covers more than 26 acres and it features more than one mile of walking trails. The grounds contain several cleansing wetlands that are intended to collect and clean runoff from Interstate 25.
But the main attraction is the new 27,000-square-foot building, which is made from rammed earth. To emphasize the building technique, the walls of the welcome center are striped to represent cross-sections of the earth and the layers of time that it took to build it. Rammed earth is considered a sustainable building technique that uses a readily-available resource (soil), and it minimizes the need to use wood or quarry stone.
Rammed earth is considered a sustainable building technique uses a readily-available resource (soil), and it minimizes the need to use wood or quarry stone.
 
 
 
The building is powered by a variety of renewable energy sources, including solar, wind and geothermal. The building has both roof-mounted solar panels, as well as wall-mounted glass panels, which serve the dual function of shading the building and producing 3 kW of power. On the south side of the building there are five wind turbines, which harness the power of the wind, which rips at an average speed of 12 mph. Based on that wind speed, the wind turbines can supply as much as 29 percent of the building’s annual energy needs. Additionally, the building features a geothermal exchange system for heating and cooling, with 60,000 linear feet of coiled piping under the southern landform.
Other displays provide information about renewable energy, informing visitors about emerging technologies.
Inside, the main attraction is "Dee," a life-size cast of a Columbian Mammoth that is similar to the one found at the Tate Geological Museum in Casper.
A window near the restrooms looks out on part of the wildflower green roof system, which helps to keep the building cool in the summer.
The new Southeast Wyoming Welcome Center replaces an existing 20-year old facility that is outgrown and difficult to access given its proximity along the western side of the interstate. The project explores the relationship of building and landscape to structure a sequence of experiences that occur at various scales - from the drive along I-25 which offers a presentation of the entire site, to the transformation of the site as one enters and transitions to pedestrian.
Mannered landforms and tree lines structure a variety of outdoor environments while acting as shelterbelts against the severe Wyoming winds and snowdrifts. These site features structure the foreground and backdrop for a visually animated building that focuses visitors back out into the immediate and distant landscapes. The design proposition also includes the development of a wetlands environment that captures Interstate 25 storm water runoff. The wetland is lined with native Wyoming plant life and serves as an outdoor environmental learning landscape, with trails and site structures promoting visitor interaction with the ecology of Wyoming.
The building creates an interactive workplace for the Travel and Tourism employees through the manipulation of natural light, ventilation and floor topography. As an interactive and interpretive setting, the new Welcome Center provides visitors with a fresh and progressive introduction to the State of Wyoming.

New Rammed Earth Southeast Wyoming Welcome Center - Sustainable Design Innovation, Eco Architecture, Green Building
Original Post by Mark Boyer at Habitat.com here 

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Escrita e Jornalismo de Viagem_Gonçalo Cadilhe_23Fev2013














“No ano em que completa duas décadas de carreira como jornalista e escritor de viagens, Gonçalo Cadilhe transmite num workshop informal e divertido as lições que aprendeu a escrever e a viajar. 
Desde sugestões para quem quer redigir apenas para uso próprio os seus momentos mais importantes de uma viagem, às técnicas e códigos necessários para publicar um texto e viver da escrita, passando por um olhar sobre o panorama do travel writing desde o seu inicio até aos dias de hoje”

23 FEVEREIRO 2013_Casa da Cultura de Coimbra
Para mais informações:
Para a ficha de inscrição online:


Simulação de Conforto e Desempenho Energético em Fase de Projecto_Arqcoop


Simulação de Conforto e Desempenho Energético em Fase de Projecto











Destinatários: 
Estudantes e profissionais de Arquitectura e Engenharia, bem como todos os interessados no tema. 
Objectivos: 
Reconhecer as vantagens e a importância das ferramentas informáticas de simulação do conforto e análise do desempenho energético dos edifícios, para as boas práticas projectuais com vista à sustentabilidade do projecto desde os esboços iniciais. 
Desenvolver, com recurso ao software Ecotect, modelos tridimensionais, com definição da zona climática e geográfica, das envolventes, dos materiais e das características de cada espaço do modelo. Reconhecer os elementos básicos necessários para a utilização da ferramenta apresentada. 
Submeter um modelo, a desenvolver na acção de formação, a análises de temperatura, consumos energéticos, condições de conforto ambiental, condições de iluminação natural e níveis de insolação. 
Programa: 
- Princípios básicos de sustentabilidade. 
- A arquitectura bioclimática. 
- Medidas para a construção sustentável. 
- Apresentação de exemplos de boas práticas construtivas. 
- A importância das ferramentas de simulação energética e ambiental. 
- Principais ferramentas disponíveis. 
- Weather Tool. 
- Ecotect. 
- Ecotect - aplicação.

Formador: 
Arq.º Luís Filipe Calixto
De 04 a 08 de Março, 2.ª a 6.ª Feira, das 18h30 às 22h30
20 horas     |     200 €

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Workshop Aljezur_Arqcoop_2012

















Nos passados dias 05 a 09 de Outubro de 2012 teve lugar em Aljezur a segunda edição do workshop prático de Recuperação de Estruturas em Taipa, promovido pela entidade formadora ARQCOOP, com a apoio da A-RSF (Associação dos Restauradores sem Fronteiras).
O workshop, ministrado pelo ArquitecturasdeTerra / Arq2T. Atelieriniciou-se na quarta-feira (dia 5) na Pousada da Juventude da Arrifana (local do alojamento), com a recepção dos participantes, distribuição de informação e apresentação teórica sobre a especificidade, diversidade e universalidade da construção com terra. 
Os trabalhos práticos de intervenção numa construção em taipa existente, actualmente em estado de ruína, iniciaram-se no dia seguinte sempre com bom ritmo, boa disposição e entusiasmo durante todo o workshop.
O estado debilitado da construção (muitos anos de ruína e intervenções danosas) obrigou a uma demolição parcial da parede existente a intervir e posterior reconstrução, permitindo implementar em obra alguns conceitos teóricos e ferramentas práticas associadas a estas tecnologias.















Ficam aqui registados os agradecimentos do ArquitecturasdeTerra uma vez mais à ARQCOOP e em especial ao Diogo Corredoura, garantindo-nos sempre o apoio logístico inestimável e os almoços animados no local da formação.
Agradecemos também à Marina e à A-RSF por todo o apoio e pela disponibilidade da “sua” ruína.
Por fim, queremos agradecer em especial ao excelente grupo de formandos (equipa azul e vermelha!:), pelo seu espírito de equipa, vontade genuína de aprender e construir, e pela boa disposição que nos fez sentir a todos entre amigos.
No próximo ano 2013 (durante o solarengo mês de Junho) contamos prosseguir com os trabalhos levados a cabo durante este workshop, combinando tecnologias construtivas tradicionais e sustentáveis num contexto prático de intervenção.
Para mais informações sobre este e outros cursos promovidos pela ARQCOOP podem aceder através do site.

Reabilitação_"Cob"_Rennes_Bretanha






















Este edifício, situado na região de Rennes, Bretanha, foi construído no final do século XVIII,  com uma técnica construtiva particular do "Cob" em Inglês ou "Bauge" em francês, chamada ‘Caillebotis ‘.  
Esta técnica tem a vantagem de uma execução em obra mais rápida e menos física do que a forma tradicional, utilizada na região desde o final do século XVII, e também por conservar o alisamento por corte do paramento. A técnica consiste em misturar palha, geralmente de trigo, com terra argilosa, formando um monte em torno do edifício e em seguida compactar a mistura no estado "rígido plástico" com um rolo pesado, puxado por um cavalo, formando um  "bolo" com cerca de 9 cm de espessura. Em seguida, a massa é cortada com uma lâmina afiada em peças rectangulares ou quadradas, de comprimentos e larguras diferenciadas, com cerca de 24 cm por 15 cm, de acordo com o construtor e a espessura pretendida de paredes (mín. 50 cm de espessura). Estes "tijolos leves" são então empilhados sem argamassa fresca. 
Uma vez seca, a parede parece levantada com adobes. Este aspecto final levou, na década de 70 até aos anos 90, a uma teoria falsa. De facto,  diversos investigadores e estudantes de Arquitectura em teses de mestrado e doutoramento afirmaram a existência de exemplos de edifícios tradicionais em adobe na Bretanha. Foi já no início dos anos 2000, graças às pesquisas e inventário de edifícios em terra crua, conduzido por Phillippe Bardel, do eco-museu de Rennes, durante a preparação de uma exposição temática sobre o assunto, que esta teoria foi desmentida, com o testemunho de ansiães que tinham construído com esta técnica ou visto os seus pais ou avós fazê-lo.
O especialista Laurent Coquemont defende que esta não será uma técnica de construção com adobes, pela estrutura anárquica da estereotomia de alvenaria, pela inexistência de argamassas de ligação e pelo facto do clima local impossibilitar a produção de adobes em grande escala, insistindo na importância da pluridisciplinaridade durante a investigação de casos com este.
Como quase sempre, também neste caso se cometeu o erro de revestir as paredes com  recurso a argamassas de cimento, provocando patologias graves  e desvios estruturais.
Nas fotos é possível observar como foram reparados os revestimentos com argamassas de terra crua, deixando o paramento pronto para receber uma camada de reboco com traços de cal aérea e areia.





















































Este edificio fue construido al final del siglo XVIII con una técnica muy particular de “cob” en ingles o “Bauge” en francés, llamada; “caillebotis » . Esta técnica fue desarrollada en siglo XVIII en la región de Rennes en Bretaña. Tiene la ventaja tener una puesta en obra algo mas rápida y menos física que la forma tradicional que se empleaba en esta región, desde el final del Siglo XVII y también, de ahorrar el corte del paramento. Esta técnica consistía en mesclar paja, generalmente de trigo, con tierra arcillosa formando un anden alrededor del edificio y luego compactar la mescla en estado “plástico-duro” con un rodillo pesado, tirado por un caballo. Y asi formar una “torta” de +o- 9 cm de espesor. Luego “torta” estaba cortada con una especie de pala cortante en trozos rectangulares o cuadrados y de larguras y anchuras diversas mas o menos 24/15, según el operador y el espesor de los muros. (mínimo 50cm de espesor). Estos “adobes blandos” estaban apilados en fresco sin mortero. Una bes seco el muro parece levantado con adobes. (Lo que a llevado en los años 70 asta los 90. a una teoría falsa. En efecto, investigadores y estudiantes de arquitectura en sus tesis de doctorado afirmaban que existía casos de construcciones tradicionales con adobes en Bretaña. Cosa se revelo totalmente errónea. Fue en el principio de los años 2000 gracias al trabajo de investigación y de inventario de las construcciones de tierra cruda, llevada a cabo por Phillippe Bardel , del eco-museo de Rennes, para preparación de una exposición temática sobre el tema. Que fue desmentida esta teoría pues encontramos personas mayores que habían construido con esta técnica o visto su padres o abuelos hacer lo. Como técnico y practicante, Laurent Coquemont afirma qui es imposible que sean adobes por la forma anárquica del levante, la falta de mortero y el clima bretón que imposibilita la producción de adobes a grande escala. Con esto quiere insistir sobre la importancia de la pluridisciplinaridad en las investigaciones). Como casi siempre se cometió el error de revestir los muros con morteros de cementos, creando patologías y desordenes. En estas fotos, se puede ver como reparamos con morteros de tierra cruda, el paramento ahora listo para recibir un enfoscado pelicular con mortero de cal aérea.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

3DEarth_a Generative Process_6Abril/5Maio2013_Lisboa























www.3dearthworkshopiscteiul.wordpress.com/

Quais as potencialidades da Fabricação Digital na Arquitetura em Terra?
Como combinar as técnicas construtivas tradicionais em terra com os processos digitais CAD/CAM na construção de estruturas arquitetónicas à escala real (1:1)?
O workshop internacional “3D EARTH. A GENERATIVE PROCESS” procurará responder a estas duas questões. O objetivo central é explorar as potencialidades dos processos digitais avançados na construção em terra tendo como referência temas da morfogénese.
A construção tradicional, também designada por vernacular ou autóctone, é essencialmente caracterizada pela utilização de materiais e técnicas próprias do lugar que ocupa e é, na sua maioria, construída pela população que a habita. A construção em terra é uma das soluções tradicionais, milenares e mundiais, que a arquitetura tem o mérito de possuir variadíssimos exemplares. Trata-se de um método sustentável de autoconstrução muito característico nos países onde a maioria da população não possui recursos que permitam obter outro tipo de habitação. Neste sentido, além do baixo custo e do processo construtivo simples, a arquitetura em terra possui características térmicas e acústicas excelentes, no entanto, são construções muito vulneráveis a fenómenos naturais (chuva e sismos). A fabricação digital (processos avançados de CAD/CAM) em arquitetura permite a passagem do desenho diretamente para a sua prototipagem.
Este processo – do ficheiro para a fábrica – permite que os arquitetos, entre outros profissionais, realizem projetos com um leque maior de possibilidades, diversidades e complexidades – como é o caso de geometrias complexas. A fabricação digital além de oferecer uma nova e contemporânea tecnologia ao acesso da arquitetura também possibilita a personalização, a customização, a estandardização e a prototipagem/execução local. Numa sociedade que procura reduzir de forma significativa o impacto negativo no planeta, a tentativa de mimetizar os processos naturais de geração e manutenção das estruturas biológicas parece ser um percurso promissor. Surge então o biomimetismo e a morphogenesis (sendo que o primeiro mimetiza forma e comportamento e o segundo compreende também desempenho e performance). Este conceito é profundamente inspirado na natureza e procura, na simplicidade do seu processo, reproduzir a geração da forma. Com a intensificação da utilização dos sistemas CAD/CAM enquanto ferramentas indispensáveis de representação, modelação e fabricação, tem-se procurado, em arquitetura, a capacidade de conceber e desenvolver formas livres de carácter orgânico com base em padrões e formas da natureza, permitindo uma ligação inequívoca entre o desenho digital (CAD) e o processo de produção (CAM).
Com base nestes aspectos, um grupo de investigadores multidisciplinares em conjunto com os participantes propõe-se concretizar algumas soluções de interesse estrutural, funcional e estético, através da realização física de protótipos à escala 1:1. O produto final resultará da concepção paramétrica de um elemento/conjunto de elementos arquitetónicos baseados numa peça/módulo de 300x200x100 mm. O workshop explorará: (1) o uso do Rhino e Grasshoper como ferramentas criativas de modelação 3D; (2) a prototipagem/fabricação em CNC, com a possibilidade de recorrer também a maquinaria leve, para a construção à escala real da peça final.

Serão aplicados 4 processos: (1) Processo Seco – Realizar o bloco de terra e depois de seco modelar através da CNC o desenho realizado; (2) Processo Molde – Modelar os moldes na CNC para posteriormente se encher com terra; (3) Processo Plástico – Realizar a modelação da terra crua diretamente na CNC; (4) Processo peça única – Prototipagem de uma peça única (repetível) que consoante a sua colocação traduzirá a modelação pretendida. Realizar-se-ão experiências com a finalidade de testar cores, texturas, resistência do material, potencialidades técnicas das ferramentas a utilizar, viabilidade técnica e construtiva.
ISCTE-IUL
3dearth.workshop.iscteiul@gmail.com

What are the capabilities of Digital Fabrication in Architecture of Earth?
How to combine the traditional construction techniques in earth with the CAD/CAM digital processes in the construction of full-scale architectural structures (1:1)?
The international workshop “3D EARTH. A GENERATIVE PROCESS” will attempt to respond to these two questions. The main purpose is to explore the capabilities of advanced digital processes in the construction in earth having as reference subjects of morphogenesis.
The traditional construction, also designated by vernacular or autochthonous, is essentially characterized by the use of materials and techniques specific to its site and is, mostly, executed by the local population. The construction in earth is one of the traditional solutions, millenarian and worldwide, that architecture has the merit of having numerous different examples. It is a sustainable method of self-construction highly characteristic in countries where most of the population does not have the resources to obtain other type of housing. Therefore, besides the low cost and the simple constructive process, architecture in earth has excellent thermal and acoustic characteristics, however, constructions are very vulnerable to natural events (rain and earthquakes). Digital fabrication (advanced processes of CAD/CAM) in architecture allows the passage of the drawing directly to its prototyping. This process – from file to the factory – allows architects, and other professionals, to perform projects with a wider range of possibilities, diversities and complexities – as in the case of complex geometries. Digital fabrication besides offering a new and contemporary technology for access of architecture, also enables personalization, customization, standardization and local prototyping and execution. In a society that seeks to significantly reduce the negative impact on the planet, attempting to mimic the natural processes of generation and maintenance of biological structures appears to be a promising route. Emerges then the biomimicry and mophogenesis (the first of which mimics the form and behavior and the second also comprises performance). This concept is deeply inspired by nature and seeks, in the simplicity of its process, to reproduce the generation of form. With the increasing use of CAD/CAM systems as essential tools of representation, modeling and fabrication, has been sought, in architecture, the ability to design and develop free forms of organic nature based on shapes and patterns of nature, allowing an unambiguous link between digital design (CAD) and the production process (CAM). Based on these aspects, a group of multidisciplinary researchers along with the participants it is proposed to implement a few solutions of structural, functional and aesthetic interest, through the realization of a 1:1 scale physical prototype. The final product will result from a parametric design of an architectonic element/group of elements based on a piece/module of 200x200x200 mm. The workshop will explore: (1) the use of Rhino and Grasshoper as creative tools for 3D modeling; (2) prototyping/manufacturing in CNC, with also the possibility of using light machinery, for full-scale construction of the final piece.

4 procedures will be applied: (1) Dry Procedure – Make the block of earth and after drying, model with the CNC the design made; (2) Mold Procedure – Model the molds with the CNC later to be filled with earth; (3) Plastic Procedure – perform modeling of raw earth directly on the CNC; (4) Part Procedure – Prototyping one single piece (repeatable) that depending on their placement will translate the desired model. There will be performed experiments in order to test colors, textures, material strength, technical capabilities of the tools to use, technical and constructive viability.
www.3dearthworkshopiscteiul.wordpress.com/

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Grains de Bâtisseurs_ 02 / 08


02_Les salières


03 Les goutelettes de poudre


04_Le tube de poudre


05_Le tube de poudre qui rebondit


06_L'aspirateur et le gant


07_Les poudres tassées et aérées


08_1+1=2