terça-feira, 30 de setembro de 2008

Livros_Arquitectura de Terra

Um dos aspectos mais importantes na divulgação e promoção da Arquitectura de Terra passa necessariamente pela publicação de estudos, opiniões, bons exemplos, trabalhos práticos e de investigação.

É hoje possível encontrar na net, nas livrarias e alfarrabistas portugueses um universo amplo de literatura referente à temática da Construção com Terra por todo o Mundo.

Em Portugal, a editora Argumentum em colaboração com a Associação Centro da Terra e a Escola Superior Gallaecia em Vila Nova de Cerveira, desenvolvem há alguns anos um trabalho consistente e aprofundado nesta matéria.

Após a feliz e fundamental publicação do livro "Arquitectura de Terra em Portugal" em Outubro de 2005, têm sido publicados diversos textos, conferências, projectos de investigação e dissertações de Mestrado que muito têm contribuído para mostrar a Arquitectura de Terra ao público em geral. Falaremos mais sobre eles em próximos posts.

Para quem procura algum título em particular aqui ficam os contactos e a referência de algumas das principais publicações:
Associação Centro da Terra
Editora Argumentum
Escola Superior Gallaecia
"Arquitectura de Terra em Portugal"
(coordenação da edição: Maria Fernandes e Mariana Correia).
Edição: Editora Argumentum. Lisboa, Outubro 2005.
300 páginas com 250 ilustrações. 54 autores reunidos pela Associação Centro da Terra.
Livro bilingue em português e inglês.
Preço: 50 euros.
"Terra em Seminário"
(coordenação da edição: Mariana Correia, Maria Fernandes e Filipe Jorge).
Edição: Editora Argumentum e Escola Superior Gallaecia.Lisboa, Outubro 2005.
288 páginas a duas cores.
Colectânea de 75 comunicações apresentadas no "IV Seminário Ibero-Americano de Construção com Terra" e "III Seminário de Arquitectura de Terra em Portugal".
Artigos de 130 autores de 22 países, em Português, Espanhol e Italiano.Preço: 20 euros


"Houses and Cities built with Earth: conservation, significance and urban quality"
(coordenação da edição: Maddalena Achenza, Mariana Correia, Marco Cadimu e Amadeo Serra)
Edição: Editora Argumentum com o Apoio da União Europeia, no âmbito do programa Cultura 2000.Lisboa, Junho 2006.
160 páginas a duas cores.
Contribuições realizadas por meio de seis sessões de trabalho, em Itália, Portugal, Espanha e Marrocos.Artigos de 46 autores de 22 países, em Português, Espanhol e Italiano, Francês, Inglês e Hungaro.
Preço: Oferecido, na compra dos outros 3 livros.

"Terra: Forma de Construir .Arquitectura. Antropologia. Arqueologia"

(coordenação da edição: Mariana Correia e Vítor Oliveira Jorge)
Edição: Editora Argumentum e Escola Superior Gallaecia.Lisboa, Outubro 2006.
144 páginas a duas cores. Contribuições realizadas por meio da 10ª Mesa Redonda de Primavera".

Colectânea de 20 comunicações em Português, Espanhol e Francês.
Preço: 20 euros.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Passeios Pedestres, Paisagem e Arquitectura

Ora aí está uma forma ECOLÓGICA e SAUDÁVEL de conhecer a PAISAGEM e a Arquitectura de TERRA do LITORAL ALENTEJANO!!


A autarquia de Odemira apresentou três novos percursos pedestres, durante a feira de Turismo que decorreu entre 21 e 23 de Março em Vila Nova de Mil Fontes.
Os novos percursos (criados de acordo com as normas definidas pela Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal) englobam a conhecer a zona costeira da freguesia de Longueira/Almograve, a Serra de S. Domingos e o vale do Rio Mira, na zona de Troviscais, na freguesia de S. Luís.

Os trilhos estão marcados no terreno, com sinalética própria e foram elaborados folhetos promocionais e painéis com a descrição dos mesmos.



O primeiro percurso intitula-se “Lapa de Pombas” e desenvolve-se em 8,9 km, na zona costeira da freguesia de Longueira/Almograve, entre a localidade de Almograve, a praia e o Porto de Pesca de Lapa de Pombas, em pleno Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina. O percurso tem um grau de dificuldade baixo e uma duração aproximada de três horas e meia, sendo o piso em terra batida, asfalto e trilho nas dunas. A temática incide sobre as formações dunares e rochosas (nota para as deformações a que foram sujeitas as rochas do Paleozóico, com mais de 300 milhões de anos).


S. Domingos” é o nome do Percurso 2 de Odemira, na freguesia de S. Luís, com destaque para as temáticas serra e arquitectura tradicional. A primeira parte do percurso é urbana e oferece a possibilidade de observar a arquitectura tradicional em taipa. Ao longo do caminho nota-se a presença de exemplares da flora típica da região, como o medronheiro, a esteva, o rosmaninho, a carqueja, a urze e o tojo. A serra de S. Domingos proporciona uma vista magnífica sobre toda a área circundante, sendo possível avistar Vila Nova de Milfontes, Sines, Odemira e outras povoações em redor. Este é também um local de eleição para observar a avifauna: andorinha das rochas, melro-azul e águia de asa redonda. Com grau de dificuldade médio, o percurso tem uma duração aproximada de duas horas e uma distância de 8,1 km, em piso de asfalto e terra batida.



O Percurso 3 de Odemira chama-se “Troviscais”, também na freguesia de S. Luís. O percurso inicia-se na localidade de Troviscais e tem como temática o Rio Mira e o montado. É bem visível a arquitectura em terra e o património industrial rural, relacionado com a pesca artesanal no rio e os moinhos de maré. No património natural destaca-se o Rio Mira e toda a diversidade de fauna e flora que ele engloba. O grau de dificuldade é médio e o percurso tem uma duração aproximada de quatro horas, numa distância de 13,5 km, sempre em terra batida.

Boas Caminhadas!!!

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Formação Taipa_Taliscas_Outubro


Terminada com sucesso a formação que decorreu entre Agosto e Setembro de 2008, a Matriz encontra-se já a organizar aquela que será a 7ª acção de formação realizada no Polo de Actividade das Taliscas.
"Conservação e Recuperação de Construção em Taipa" 3ª edição

Ao longo das duas edições anteriores têm-se vindo a intervir numa ruína localizada a cerca de 1km da Escola das Taliscas.
Nesta próxima formação pretende dar-se continuidade aos trabalhos de recuperação já iniciados, complementados com uma sólida componente teórica e exemplificativa.
O programa da formação, mantendo a sua linha condutora inicial apoiada por um manual técnico de informação, tem vindo a ser adaptado consoante o perfil da equipa de participantes.

Se na 1ª edição a equipa era composta maioritariamente por construtores e operários da construção civil, o mesmo não aconteceu na segunda, onde a participação foi variada e reunir desde arquitectos, engenheiros, gestores e, finalmente, construtores.
A formação decorrerá entre 6ª e domingo das 3ª e 4ª semanas de Outubro entre as 9.30h e as 17h com 1.30h para almoço.
As inscrições estão abertas até ao dia 10 de Outubro com o número máximo de 12 participantes. * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *susana sequeira Matriz, adl Odemira



terça-feira, 16 de setembro de 2008

Imagens_Texturas_Terra_Continuação

A beleza plástica e texturada que a terra possui é lhe conferida pelas diferentes percentagens dos seus constituintes (gasosos, liquidos e sólidos), com ou sem estabilização (cal, cimento, etc), e as características específicas dadas por esses componentes, de que resulta uma infinidade de tipos de terra com uma variação de características infinita!

Falarmos de beleza na caracterização da terra pode trazer consigo perigos pela sua relatividade pouco científica, mas aceitemos à partida que o conceito de Belo implica uma afeição, e que esta, sendo subjectiva, utiliza critérios plásticos e sensoriais tão importantes como o rigor físico e químico que explicam todos os materiais de construção.













quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Formação Taipa_Taliscas

Aqui ficam algumas fotografias da Acção de formação sobre "Conservação e Recuperação de Construções em Terra" que decorreu em Taliscas.





























quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Adobe_Idanha-a-Nova

Casas em adobe, Ladoeiro (Idanha-a-Nova), 2008







Imagens retiradas do blog http://casadasbestas.blogspot.com/2008/03/arquitecturas-de-terra.html
(ver texto)

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Amigos_Escola de Taliscas_Matriz adl

Existem Associações locais que merecem por inúmeras razões ser divulgadas.
Porque são pólos activos no domínio da promoção cultural e artística, na criação de oportunidades criativas, mas sobretudo pela natureza humana das suas intervenções, no contacto de proximidade com as tradições e a população.

A Associação Matriz adl com sede em Odemira e casa na aldeia de Taliscas, é sem sombra de dúvida uma destas Associações.
Odemira é hoje um concelho muito espalhado em termos de população, com carências de serviços e de oferta cultural. Daí a importância da Matriz como base de encontro e aproximação do património imenso que Odemira e o Sudoeste Alentejano contêem.

Não são apenas as praias fantásticas e a paisagem protegida, a gastronomia ou doçaria, são as pessoas e as tradições (acções vivas que as diferenciam) que merecem ser conhecidas e divulgadas, este é principal trabalho da associação Matriz.
E porque importantes são as pessoas que a constroem, todos os dias, um abraço ao amigo Raul Almeida, um homem apaixonado pela região e conhecedor das histórias do concelho, à Arquitecta Susana Sequeira, que se dedica e organiza as formações e também o pequeno Gaspar que com os seus "amigos" brinquedos anima o futuro da associação.

Cabe-nos as nós,
amadores e aprendizes das Arquitecturas de Terra,
contribuir e saudar o trabalho desenvolvido por estes "alemtejanos".

O blog da associação com notícias sobre as actividades é o

http://www.matriz-adl.blogspot.com/

Quanto a Novidades fresquinhas, teve início no dia 29 de Agosto e vai prolongar-se nos dias 6, 7 até dia 8 de Setembro uma acção de formação sobre "Conservação e Recuperação de Construções em Terra".



A associação convida todos os que estiverem interessados se quiserem assistir à finalização dos trabalhos a passarem pelo

Polo de Actividades das Taliscas (antiga Escola Primária).

A intervenção prática de recuperação centra-se numa ruína próximo da escola e consiste grosso modo no preenchimento de lacunas, execução de socos, argamassas, rebocos e taipa) .

Como estas formações têm tido muita procura, está já prevista para Outubro uma nova edição.