quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Ser Taipeiro é FIXE!!







Regressados que estamos de umas férias saborosas nos Açores, aqui ficam algumas fotografias da mais recente aventura do Pedro como taipeiro no Alentejo litoral, mais propriamente na Boavista dos Pinheiros, junto a Odemira, de 20 a 24 de Julho.
Há uns mesitos atrás fomos convidados, (desafiados do tipo - vocês querem experimentar?! não eram capazes...querem mesmo?! ok, vejam lá! ok...está bem...eheh, ok chatos!) pelo arquitecto Henrique Schreck, a quem não me canso de agradecer o convite.
Já tinhamos feito taipa anteriormente em vários encontros e workshops, mas nunca "a sério". A ideia era assim responder a uma paixão daquelas que a gente não explica... assentar as muitas teorias arrecadadas sobre o assunto, pôr as mãos na massa e aprender fazendo!
A Eva teve que se cortar (são mais lúcidas as mulheres...) por não ter mais dias de férias disponíveis e lá rumei eu para o sol do Alentejo com destino São Teotónio, a partir daí as imagens dizem o resto... e adorei a experiência! Fiquei com as mão cheias de bolhas e um caparro considerável... foi durinho fisicamente mas sinceramente espero repetir! Agora contamos seguir de perto o resto que ficou por fazer da moradia.

Quanto ao processo construtivo da taipa, enfim, fiz de tudo como os outros, bati muita taipa, acartei baldes, montei e desmontei vezes sem conta o taipal...tudo!...menos as aguardentes depois do almoço e depois ir trabalhar, isso naaa! Preferia ficar-me por uma garrafinha de água das pedras enquanto os meus colegas davam uma de macho!
Já agora, uma palavra para a hospitalidade e amizade com que fui recebido na obra, o Jorge (meu companheiro de taipal), o Carlos e o Márcio, o amigo Zé, o Garcia e o sr. Loução, (o patrão) tudo gente boa! é claro, são alentejanos!



Assim, para aqueles que pensam "mas este moço é maluucooo! tá paarvo, tira-me férias para ir trabalhar para as obras!" aqui ficam então algumas fotografias gostosas que mostram o porquê, a beleza do material (esta taipa é mesmo uma sedutora!) e vislumbram o processo construtivo que é verdadeiramente simples mas ao mesmo tempo cheio de truques, deixando no ar questões (como a respiração da taipa ou a resistência do material) que tocam um raciocínio físico e palpável e ao mesmo tempo o domínio filosófico e intangível.

Para acabar e como resposta a alguns mails que temos recebido, aprendi também que este pode ser um processo economicamente imbatível (já vejo os vossos olhinhos a brilhar com cifrões...ou euros!), sem sombra de dúvida, pela rapidez de execução, pela origem e disponibilidade do material, sai mais barato, exige apenas boa coordenação e optimização na obra.




Cumprimentos e...boas férias
Pedro, o taipeiro

4 comentários:

cmcm disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
cmcm disse...

Ora então temos taipeiro!!
Muito bem, estou a ver que adoraste. Acredito que tenha sido uma excelente e bastante enriquecedora forma de passar as férias. :)
Que venham muito mais experiências dessas. Eu (e todos os outros leitores assíduos) cá espero para as acompanhar!!
Beijinhos e felicidades

Anónimo disse...

Parabéns pelo blog e pela coragem para realizar esta experiência.
É um trabalho duro que estes e outros homens realizam...mas há-de concordar comigo que são muito divertidos.
Se tiver oportunidade volte ainda há muito para mostrar...

Arq. Paulo Ortiz disse...

Olá Pedro, o taipeiro!
Uma taipa não é apenas uma taipa...
Participar de um taipal é uma vivência única.
Um taipeiro é um companheiro de jornada, numa busca de conhecimentos que são obtidos em cada uma dessas trocas.
Parabéns a você! E cumprimente, por mim, aos que te convidaram a viver essa experiência.
Lazer é fazer o que se gosta, o que nos dá prazer...