sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Documentário_Neste Chão Tudo Dá _parte1


Excelente documentário, realizado por Felipe Pasini, que permite conhecer melhor o trabalho desenvolvido por Ernst Gotsch, na área da Agrofloresta.



“A agrofloresta (ou floresta de alimentos) é um método de produção que propõe, não a criação de um novo ambiente produtivo, mas que o homem, e a produção agrícola da qual tira proveito, integrem um ambiente florestal.


Uma floresta é um organismo vivo. É uma rede interdependente de seres que cooperam para gerar cada vez mais recursos, mais vida, mais complexidade e mais biodiversidade. Trata-se de uma entidade em constante transformação em que o todo é maior do que a soma das suas partes. Cada ser tem uma função específica e o seu papel é indispensável para a saúde de todo o sistema.


A agricultura deixa assim de ser uma agro-mineração que, ao sugar recursos, promove a degradação dos solos e se torna dependente da aplicação de químicos poluentes. Torna-se num processo regenerativo com uma grande capacidade produtiva de uma vasta gama de produtos alimentares e florestais. Promovendo ecossistemas cada vez mais férteis e abundantes é capaz de recuperar solos totalmente degradados em curtos espaços de tempo.


É uma prática agrícola de carácter micro regional, e por isso capaz de dinamizar economias locais e de vizinhança. Uma vez que se evitam todo o tipo de fertilizantes, pesticidas, herbicidas, maquinaria pesada e tarefas de mão-de-obra intensiva, esta prática é orientada para pequenos produtores e ideal para uma lógica de auto-sustentabilidade.


O método é, na sua essência, uma tentativa de imitar a natureza. Na natureza a maioria das plantas vive em associação com outras espécies, das quais necessita para um crescimento pleno. Estas associações, ou consórcios, sucedem-se de forma dinâmica e contínua, processo a que se chama Sucessão Natural. Estas são as forças motrizes que asseguram a saúde das plantas e dos solos.”


fonte: www. sitiocoop.com



“O nascimento de cada ser vivo, a sua força de crescer, de frutificar, de criar o próximo a seguir, de completar o processo de amadurecimento tendo no final a morte, ou melhor dizendo, a transformação em outras formas de vida – tudo isso faz parte do metabolismo do macro-organismo Mãe Terra.


A sucessão natural das espécies é o pulsar da vida, o veículo em que a vida atravessa o espaço e o tempo.


A partir dessa sabedoria, podemos adivinhar o modo de trabalhar e as ferramentas para uma futura agricultura – cultura – que não se tornará mais uma exploração e mineração, como são as práticas dominantes da agricultura moderna. Concretamente, isto significa que eu, como agricultor, só posso fazer uma intervenção na minha plantação quando eu souber que o resultado da actividade planeada será um balanço energético positivo, como aumento da vida e favorecimento dos processos de sucessão.”


Ernst Gotsch











Sem comentários: