Páginas

quinta-feira, 17 de junho de 2021

Exemplo_Chilean Pavilion _2018 Venice Biennale





Rammed earth installation_Venice, Italy
The Chilean Pavilion Offers the 2018 Venice Biennale's Most Powerful Architectural Statement.

STADIUM
A BUILDING THAT RENDERS THE IMAGE OF A CITY
Chile’s National Stadium was a building and a city for one day. On the 29th of September 1979, the building was filled by 37,000 people for a massive operative which provided ownership titles to dwellers (pobladores), settling decades of makeshift land occupation and policies.
A blueprint of the Stadium with the outline of shanty towns instead of bleachers was prepared, rendering the genesis of Santiago’s current layout within the drawing of a building.
From sports venue and hosting religious events to a concentration camp, the exhibition recreates the different functions as a machine for viewing and revisits the stadium’s typology, congregating dissimilar groups and serving unlikely purposes.
This is the story told through a drawing from an event of the past, which foresaw the present of a city within a building. The exhibition narrates a double story interweaved in one drawing: that of a building (with its dissimilar uses) and that of a city (with its housing development), both converging in one event.
At the centre of Sala dell’Isoloto stands a large-scale model of a building made of rammed earth. On closer examination, the sixty pieces that comprise the building’s oval shape appear less to be made of earth as carved in it. Layers of soil with slight variations in colour and texture recall that it is land what is at stake at the Chilean Pavilion. The layering of the pavilion’s pieces is the footprint of an artisanal process of production by which a fragile, discrete material—soil, bare earth—is transformed into a stable, monolithic object. Simultaneously heavy and fragile, these objects are in turn symbolic fragments of another transmutation: one by which slum dwellers were transformed into property owners in an event at Chile’s National Stadium, and one by which a city that grew unplanned becomes visible and fixed in a plan, that of a building able to narrate its own history.

PAVILION CREDITS
CRÉDITOS PABELLÓN
Curator / Curatrice
Alejandra Celedón
Commissioner / Commissario
Cristóbal Molina (Ministry of Cultures, Arts and Heritage)
Design / Disegno
Tomás Villalón
Leonardo Quinteros
Direction of contents / Direzione dei contenuti
Alejandra Celedón
Stephannie Fell
Graphic identity / Identità grafica
Kathryn Gillmore
Audiovisual project / Progetto audiovisivo
Javier Correa
Multimedia / Multimedia
Gonzalo Puga
Arguzia S.r.l.
Stadium Model – Patricio Arias / Quipu – Jean Petitpas

quarta-feira, 16 de junho de 2021

Livro_The Art of Earth Architecture: Past, Present, Future_Jean Dethier

The Art of Earth Architecture: Past, Present, Future
by Jean Dethier
For almost ten thousand years, unbaked earth has been used to build remarkable structures, from simple dwellings to palaces, temples, and fortresses both grand and durable.
Jean Dethier spent fifty years researching this landmark global survey, which spans five continents and 250 sites. The Art of Earth Architecture demonstrates the wide-ranging applications and sustainability of this building material, while presenting a manifesto for its ecological significance.
Featuring raw-earth masterpieces, monumental structures, and little known works, the book includes the temples and palaces of Mesopotamia, the Great Wall of China, large-scale urban developments in Tenochtitlan in Mexico, the medinas of Morocco, and housing in Marrakech and Bogota.
This definitive reference features many UNESCO World Heritage sites and contains essays on the historical, technical, and cultural aspects of raw-earth construction from twenty experts in the field, as well as hundreds of photographs, illustrations, and architectural drawings.

About the Author
Jean Dethier has dedicated his life to the research, safeguarding, and development of earth structures around the world. Dethier worked at the Centre Pompidou as a curator of influential architectural exhibits for thirty years. Winner of the prestigious Grand Prix National de l'Architecture, he sat on the jury of the 2016 Terra Award, the first international prize for contemporary earthen structures.

Publisher : Princeton Architectural Press; Illustrated edition (March 3, 2020)
Language : English
Hardcover : 512 pages
ISBN-10 : 1616898895
ISBN-13 : 978-1616898892
Dimensions : 9.85 x 2.05 x 12.55 inches

To buy The Art of Earth Architecture: Past, Present, Future try Amazon here

segunda-feira, 14 de junho de 2021

Exemplo_Tower SIHLHÖLZLI

 

TOWER SIHLHÖLZLI
Zurique, Suíça
Arquiteto: Roger Boltshauser @rogerboltshauser
Parede de terra batida : Martin Rauh @ erden.at
Estruturas: BKM Ingenieure
Builder: Lehm Ton Erde Baukunst GmbH @ erden.at
© Foto: Michael Freisager

quarta-feira, 9 de junho de 2021

Exposition PISÉ – Tradition et potentiel

En dépit de sa disponibilité et de sa durabilité la terre comme matériau de construction reste encore méconnue et n’est pas vraiment ancrée dans notre culture, alors qu’elle possède une tradition sous nos latitudes. Cette exposition veut rappeler l’histoire européenne du matériau terre, notamment la construction en pisé en France et son influence sur la Suisse.
En Europe, la technique du pisé est apparue il y a plus de 2000 ans. Hannibal l’aurait déjà utilisée pour des fortifications au cours de ses campagnes militaires. Dans la région Rhône-Alpes, les constructions en pisé connurent dès le milieu du 16e siècle un premier essor avec la croissance rapide des villes. Un deuxième suivit au 19e siècle avec l’exode rural et la pénurie de logement qu’il entraîna. Le savoir lié à la construction en terre a été transmis de la France à la Suisse grâce au commerce du lin. En Suisse orientale, différentes constructions en pisé apparurent à partir du 17e siècle.
Cette exposition permet d’en savoir plus sur le matériau terre pour le rendre accessible et perceptible à la fois par ses propriétés et par sa présence physique. Elle montre ses composants et son traitement, suit l’avancement des constructions en pisé actuelles et ose un regard sur l’avenir. Elle se penche tout particulièrement sur la possibilité d’une préfabrication industrielle qui permettrait d’ouvrir de nouvelles perspectives d’un point de vue constructif et architectural. Avec la Maison des Herbes de Ricola de Herzog & de Meuron récemment construite, le pionnier du pisé Martin Rauch a démontré le potentiel que recèle la préfabrication pour l’adaptation à de nouvelles dimensions et proportions. D’autres projets de cette échelle vont suivre, comme l’Océanium à Bâle. 
À l’EPFL, nous avons étudié la faisabilité des constructions hybrides en terre et optimisé leurs avantages constructifs et énergétiques. Au coeur du projet de l’atelier Boltshauser se trouvaient des questions stimulantes concernant la structure ainsi qu’un besoin de défricher des nouveaux chemins pour une expression architecturale en terre.
Une exposition produite par ARCHIZOOM
Vues de l’exposition
Construction d'un mur en pisé avec les étudiants de l'EPFL, sous la direction de Timur Ersen, pour l'exposition "Pisé. Tradition et Potentiel"

COMMISSAIRES
Roger Boltshauser
Marlène Witry
COLLABORATEURS
Janina Flückiger (conception pisé Suisse)
Clemens Quirin, Lehm Ton Erde (conception domaine matériaux)
ENTREPRISES PARTENAIRES
Erne Holzbau AG (coffrages en bois)
Martin Rauch, Lehm Ton Erde (matériaux et tableau en terre crue)
Timur Ersen (murs en terre crue)
DESIGN GRAPHIQUE
Büro 146. Maike Hamacher, Valentin Hindermann, Madeleine Stahel, Zurich
Mit Tiziana Artemisio
PHOTOGRAPHIE
Philip Heckhausen (photographie pisé Suisse, pisé France)
Noémie Allenbach Tsu-Shin (photographie travaux d’étudiants)
Sébastien Friess (photographie travaux d’étudiants)
RÉVISION TECHNIQUE
Laura Marcheggiano (FR/EN)

terça-feira, 8 de junho de 2021

Seminário TERRA como Material de Construção Regenerativo_CdT

ENQUADRAMENTO
A indústria da construção é um dos maiores setores da economia mundial e um dos maiores consumidores de energia e matérias-primas / recursos naturais. A maior parte desse problema deve-se à maioria dos materiais de construção industrializados usados hoje terem impactos ambientais consideráveis na sua fase de produção.
No entanto, nas últimas décadas, as técnicas de construção em terra voltaram a ganhar um interesse crescente devido à consciência em torno das questões ambientais. O material terra é frequentemente identificado como ecológico pelo reconhecimento do seu reduzido impacto ambiental, uma vez que na sua maioria se trata de um material de origem local, com um processamento de baixa tecnologia e baixo consumo de energia. A utilização de elementos construtivos em terra pode resultar na redução dos potenciais impactos ambientais em cerca de 50%, quando comparados ao uso dos convencionais. Além disso, dependendo do tipo de processamento e do material complementar envolvido, o material terra pode ser reaproveitado e reciclado num ciclo fehado, com a mesma função do anterior, ou devolvido ao ambiente natural.
OBJETIVOS
O Seminário tem como objetivo divulgar e sensibilizar sobre a construção em terra ao nível dos eco-materiais, ambientes interiores saudáveis e economia circular, abrindo o debate sobre a relevância e vantagens deste material na criação de condições para alcançar um ambiente construído regenerativo.
O evento irá se desenvolver em três sessões, e contarão com a participação de oradores especialistas nos temas, com o intuito de iniciar uma conversa e discussão sobre as melhores práticas e vantagens da construção em terra, e o seu potencial no âmbito das edificações de baixo carbono, para o futuro.
As sessões serão em Língua Portuguesa.
LOCAL
Sessões online

COMISSÃO ORGANIZADORA
– Ana Perdigão Antunes (Centro da Terra)
– Ana Velosa (Centro da Terra)
– Jorge Fernandes (Centro da Terra)
– Patrícia Marchante (Centro da Terra)
– Rui Morbey (Centro da Terra)

SESSÕES
1ª Sessão – Terra do Passado ao Futuro – 11 de Junho
2ª Sessão – Terra para criação de Ambientes Saudáveis – 18 de Junho
3ª Sessão – Construção em Terra para Poluição Zero – 25 de Junho
DESTINATÁRIOS
O evento destina-se a Arquitetos, Engenheiros, profissionais de saúde, todos os profissionais da área da construção e ao público em geral.
INSCRIÇÕES
A inscrição é gratuita, mas obrigatória. Faça a sua incrição através do link – https://forms.gle/TjPbyrTNnHEDF86LA

Mais informação no site da Associação Centro da Terra aqui.

segunda-feira, 7 de junho de 2021

Publicação_Upscaling Earth: Material, Process, Catalyst

À medida que as pressões ambientais continuam a aumentar e as preocupações com a escassez de recursos continuam a crescer, um número cada vez maior de agentes proeminentes de Arquitectura e Construção pelo Mundo retornam ou descobrem um dos métodos de construção mais antigos e ecológicos: a construção com terra.
Upscaling Earth: Material, Process, Catalyst, de Anna Heringer, Lindsay Blair Howe e Martin Rauch, apresenta-nos uma linha de pensamento inovador sobre estes materiais e o potencial da construção de terra para substituir os materiais mais prejudiciais ao meio ambiente e intensivos em recursos, como o betão ou derivados fosseis. Que condições económicas, ambientais e sociais, pergunta o livro, seriam necessárias para que ocorresse um aumento de escala da utilização da terra para construir?
Apresentando uma ampla gama de projetos construídos e não construídos e delineando estratégias que podem ser implementadas para adaptar o uso da terra a cada cultura e contexto únicos, Upscaling Earth demonstra inovações tecnológicas revolucionárias que destacam as vantagens deste material.
Da sua variedade e disponibilidade mundial, à possibilidade de reciclagem abrangente, da produção neutra para o clima à implementação socialmente justa, o livro revela-nos o incrível potencial da Arquitetura de terra.

Para adquirirem Upscaling Earth: Material, Process, Catalyst vejam aqui na Amazon.com

sexta-feira, 4 de junho de 2021

Guias de boas práticas para construção em terra crua_França

(PT)
Guias de boas práticas para construção em terra crua_França
O objetivo destes guias é fornecer recomendações e especificações que permitam a construção e manutenção de estruturas de terra crua que atendam às expectativas em termos de estabilidade, utilização, durabilidade, etc.
Estes guias destinam-se a donos de obra, promotores e gestores de projetos e obras, empresas de construção e entidades formadoras.
Cada guia foi revisto e validado por todas as estruturas de onze membros do comitê de monitorização, criado em 2015 para produzir esses guias.
Estes guias são um relevante passo para um consenso normativo nas profissões ligadas a estes materiais e tecnologias em França.
São o resultado de diversos intercâmbios iniciados por profissionais da terra crua desde 2012 onde encontramos:
- ARESO (Association Régionale d’Écoconstruction du Sud-Ouest)
- ARPE Normandie (Association Régionale pour la Promotion de l’Écoconstruction
- AsTerre (Association nationale des professionnels de la Terre crue)
- ATOUTERRE (Collectif de professionnels de la construction en terre crue de Midi-Pyrénées)
- CAPEB (Confédération des Artisans et Petites Entreprises du Bâtiment)
- CTA (Collectif Terreux Armoricains)
- FFB (Fédération Française du Bâtiment)
- FÉDÉSCOP BTP (Fédération SCOP du Bâtiment)
- MPF (Maisons Paysannes de France)
- Réseau Écobâtir
- TERA (Terre crue Auvergne-Rhône-Alpes)
Este trabalho foi apoiado pelo DHUP (Direction de l’Habitat, de l’Urbanise et des Paysages, Ministère de la Transition Écologique et Solidaire & Ministère de la Cohésion des Territoires.
O processo não se considera no entanto como terminado, estando previstas atualizações futuras no sentido de levarem em conta os feedbacks do mercado e inovações ocorridas.
Estes documentos referem-se assim a 6 técnicas: a taipa, tijolos de terra, terra aligeirada, bauge, tabiques de terra e revestimentos.
Os guias de taipa, revestimentos, tabiques, de terra aligeirada e do bauge foram validados em Dezembro de 2018 (apenas os tijolos de barro foram em Outubro de 2020) e estão todos disponíveis para download link aqui.

“Os guias de boas práticas na construção com terra são documentos normativos, ou seja, que“ apresentam as regras, orientações ou características, para todas as atividades e os seus resultados”.
Constituem assim uma referência para todos os profissionais envolvidos direta ou indiretamente no edifício com terra crua. Tratam-se de textos consensualizados resultantes de um processo coletivo que reuniu os diversos ofícios ligados à construção, implementando as técnicas de terra crua utilizadas nas novas construções e também na reabilitação das antigas construções.
Sendo o material terra múltiplo pela diversidade dos solos e das técnicas de aplicação, estabelecer regras únicas válidas para todos e em todos os contextos não poderia ser o método correcto, sendo que o know-how e conhecimento da terra em cada local é sempre decisivo.
Existem assim seis guias de boas práticas, cobrindo estes as seis técnicas de terra crua mais aplicadas:
- a Taipa, técnica de construção de parede monolítica de terra argilo-arenosa. O solo é preparado e compactado no seu estado húmido, camada por camada no interior de uma cofragem para formar um taipal.
- os Revestimentos nos quais a terra é misturada em estado viscoso com fibras e / ou areia para evitar rachaduras e aplicada na parede em uma ou mais camadas dependendo do suporte.
- O Tabique de terra, técnica utilizada para preencher uma estrutura prévia. A terra crua é aplicada no estado plástico ou viscoso com a adição de fibras. Essa mistura pode ser trançada ou emaranhada numa estrutura secundária de madeira, a mesma fixa à estrutura principal. Os painéis obtidos são frequentemente revestidos posteriormente.
- os Tijolos de terra, técnica construtiva em alvenaria de tijolos (de terra arenosa de aluvião, no caso dos adobes). Os tijolos são feitos com uma mistura no estado plástico, são moldados à mão, ou geralmente em moldes. Após a secagem, são geralmente revestidos com argamassas de terra.
- A Terra aligeirada é uma técnica utilizada para preencher uma estrutura suporte. A terra crua é usada no estado líquido com uma barbotina para ligante de fibras ou agregados e, assim, formar um material de enchimento homogêneo isolante.
- O Bauge, técnica de construção de parede monolítica de terra aplicada no estado plástico, geralmente com a adição de fibras. A mistura é então cortada em pedaços empilhados para produzir um acrescento. Após um primeiro tempo de secagem, o processo é retomado novamente.

Frases_Martin Rauch

"A 'concha especial' que nos rodeia, deve ser capaz de respirar, de se difundir da mesma forma que o nosso corpo." Martin Rauch